segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Com água na boca

                      

Hoje acordei ainda com o gostinho da aventura da noite passada. Após lembrar do kafuçu que peguei ontem, resolvi refletir sobre o termo. Vamos lá: Tá todo mundo usando o termo "cafuçu" ao se referir à um muleque gostoso...
Na minha singela concepção, cafuçu é isso... 



Isso...



  E mais isso!






domingo, 15 de janeiro de 2012

A estreia de um ninfo




Sempre subia pelas paredes quando via um muleke gostoso na rua, na escola, seja lá onde fosse. Morria de tesão só em imaginar aquele corpo conectado ao meu. Mas conectei-me com um puto muito tarde, somente aos 22 anos e como nunca fui assumido, ficaria quase impossível pegar um puto do meu convívio. Diante disso, decidi apelar para um profissional do sexo...Foi na sala de bate papo que descobri um putinho, que me faria sangrar semanas depois. Adicionamo-nos no msn e lá estávamos nós, quase íntimos em altos papos regados à risos e putarias. Ele se chamava Thiago. Tinha 19 anos, cabelos lisos, cerca de 1,78 m e um corpo invejável. Sorriso fascinante e simpatia que se confundia com sua beleza. Marcamos por telefone e fui pra rua para encontrá-lo. Ao vê-lo, meu cu,digo coração acelerou e quando notei ja estava recebendo o kit foda das mãos do cafuçu recepcionista!

_ Pra que é isso, perguntei, tentando esconder a timidez, ao recepcionista. Num precisa disso, apenas vamos dormir um pouco e descansar.
_ Thiago, mostrando que sabia ser puto gritou: Vai descansar na rola, daqui a pouco!
Quase morri e de vergonha e fui arrastado para dentro de um dos quartos do muquifo ao lado do shopping Light, no centro.(..bateu tesão em relembrar...vou à sauna pegar mais um cafuçu...continuarei contando assim que voltar)...Voltei, amores...conto as de hoje tão logo, mas preciso terminar esta da iniciação, pois é MARA, sem essa de MARACUTAIA...
Ao entrarmos  no quarto, Thiago tirou a calça Jeans e as demais peças, ficando apenas com uma cueca cinza...Que delícia de volume, parecia que ali morava uma anaconda do papo amarelo...Me agarrou, jogando-me na cama e deitou-se em em cima de mim, esfregando aquela coisa, ainda dentrio da cueca. Eu estava de bruços e ele parecia me comer sem estar pelado. Pra um iniciantes, juro que ja ficaria satisfeito se tudo parasse por ali. A essas alturas, eu já nem mais conseguia tremer, pois meu corpo estava anestesiado e meus olhos não paravam de olhar opara aquele carlho duro, saltando cueca afora, quando ele deita sob um travesseiro e me chama pra mamar. Seria o meu primeiro contato com um pau. Minha boca virgem(a loka) não se aguentava de desejo, não pestanejei e engoli tudo aquilo sem experiência alguma. Passados alguns minutos, ele me põs de quatro e avisou que ia socar tudo aquilo em mim. Senti um mix de medo e desejo, e quando  senti algo encostar num local que parecia impossível ser penetrado. Senti uma dor tremenda quando notei, ja estava numa tentativa de entra e sai, num frisson de abertura de caminho para a passagem da naja. Após algumas tentativas e perfurações, a pior dor ainda estava por vir, ele me pos com a barriga pra baixo sobre um travesseiro, pos a mão na minha boca(maldito) e sem dó, meteu de jeito que não pude me esquivar, pois ele segurava minhas pernas com as suas. Vi estrelas de fogo e senti os beijos que ele me dava no pescoço, tentando tornar confortável uma situação que ele certamente ja conhecia e era inédita para mim. A dor foi dando lugar ao prazer, ele perguntava se estava gostoso e socava cada vez mais fundo, me fazendo desejar cada vez mais uma estocada. Deitou-se de barriga pram cima e me fez deitar sobre aquele caralho delicioso. Bombou por mais um tempo e me pegou de quatro. Dessa vez ja esteva gostoso. Ele gemia de tesão e em meio aos gemidos deu umas estocadas silenciosas que me fizeram goxar como sempre imaginei que fosse. Tirou aquele caralho de dentro de mim e pude notar que estava com sangue no preservativo. Gozou batendo punheta e esporrou todo seu leite quente no meu peito. Para me zuar de vez, quando levantei, deu um tapa na minha bunda e falou: Agora você tá arrombado! Saímos do muquifo em direção à uma lanchonete e fizemos um lanche rápido. Andamos um pouco pela rua como velhos amigos,despedimo-nos e nunca mais o vi!

                                                                                                             By Madame K

O boy magia da faculdade


Sempre fui fissurado em homem. Até mesmo quando ainda pensava gostar de meninas! Após ingressar na faculdade(bicha tardia...quanto tempo perdido...God) descobri muita coisa, inclusive que gostava de sexo com meninos...morria de tesão ao ver os cafuçus ao meu lado, acabando-se em sites pornográficos no laboratório da faculdade. Babava quando os via sair com as calças avolumadas e entravam no banheiro para terminar o que não podia fazer diante de todos...


Sempre no final da aula, eu tinha o hábito de ir "fazer pesquisas" no laboratório de Informática. Certo dia, um cara delicioso do curso de adiministração de empresas usava o computador ao meu lado . Percebi que ele estava impaciente e muito agitado. Fiquei na moita e ao olhar bem, vi que seu pau estava duríssimo e marcando a calça jeans! Quase infartei. Ele era um dos mais gostosos da faculdade! Não pude me conter e notei que o putinho estava assitindo a filmes pornos na Internet. Fiquei na minha pra não atraplhá-lo. De repente, o cara levanta e sai. Claro que eu tinha me ligado que ele só podia ir pro banheiro e como boa puta que sou, fui atrás. Ao entrar, ainda pude vê-lo acabando de entrar no reservado e fechando a porta. Meu coração disparou ao imaginar o que o puto tava fazendo lá dentro. Me tranquei no reservado ao lado e ude ouvir os barulho do sinto sendo aberto e. Em seguida, a sombra no chão me dava uma ideia do que se passava ao meu lado! O barulho da mão no pau me deixava prestes a invadir o reservado e auxiliá-lo no trabalho árduo de tirar leite daquele pau. Pouco tempo depois, ele saiu e logo fui verificar o local do crime...Não me contive quando vi a porra espalhada no chão, no vaso e como se não bastasse no papel gozado que estava na lixeira! Ali mesmo, olhando aquela porra espalhada, gozei como poucas vezes ja havia gozado. Ao sair, encontrei o puto no corredor indo embora, como se nada tivesse acontecido!